• Post author:
  • Post category:Saúde
  • Reading time:7 mins read

Quando se fala em saúde bucal, não se trata apenas em manter dentes bonitos, como também em sua integridade, bom funcionamento e qualidade, mas também ter uma gengiva saudável, o que faz muita diferença não só para a estética, como também para a qualidade de vida. 

Quando esse tecido está devidamente cuidado, todo o sorriso se beneficia, tanto na estética quanto na saúde.

Contudo, caso contrário, não só haverá uma aparência desagradável, como também poderá haver riscos de saúde na cavidade oral, podendo levar à perda dental, e até no sistema cardiovascular. 

Pensando nisso, serão colocadas aqui algumas das principais formas de cuidar e manter a saúde da gengiva, assim como os dentes e toda a cavidade bucal, saudável.

Limpeza bucal

Primeiramente, é preciso abordar a higienização oral, fator essencial para a saúde e qualidade da cavidade oral.

Isso porque, apesar da frequência correta e forma adequada, o processo de escovação – por exemplo – demanda cuidados e movimentos específicos para ter mais qualidade, que muitas vezes não são conhecidos ou levados em consideração.

Muitas pessoas escovam os dentes de forma inapropriada, seja por pressa ou descuido. Do mesmo modo, ao higienizar a cavidade, podem esquecer de passar o fio dental.

Conheça também:

Ambas situações prejudicam não só a arcada dentária, como também a gengiva, favorecendo a proliferação de bactérias e inflamações diversas.

Portanto, a escovação e todos os hábitos de limpeza bucal precisam ser respeitados e feitos da maneira correta, podendo ser necessário o apoio de profissionais para realizar o processo mais adequadamente.

A escovação, primeiramente, deve ser feita utilizando escovas de cerdas macias para preservar a estrutura dos processos muito intensos de abrasão, bem como a gengiva de qualquer ferida por conta da força/rigidez da escovação.

É importante lembrar que o movimento para escovar os dentes deve ser feito de forma circular, da gengiva para fora e com delicadeza. 

Escovar os dentes deve ser um hábito a ser feito ao final de cada refeição, pelo menos, três vezes ao dia, tendo atenção também à quantidade do creme dental.

O uso do fio dental também deve ser feito, passando o fio com cuidado para não ferir a gengiva ou mesmo favorecer inflamações. 

Esse processo não deve ser esquecido, pois a ausência do fio e da própria escovação, bem como a cautela no processo, previnem que as gengivas sejam prejudicadas por bactérias ou pelo próprio fio e venham a sangrar.

Portanto, esse processo deve ser feito todos os dias, e o fio precisa ser passado ao menos uma vez.

Por fim, para completar todas as considerações sobre higienização bucal, é necessário  bochechar 20 ml de enxaguante bucal ao final de toda a escovação. 

Todas essas práticas devem ser adotadas por todos serem feitas corretamente. No entanto, no caso de haver algum tratamento bucal, esse cuidado pode ser ainda mais necessário e cuidadoso.

Para quem utiliza o aparelho dental invisivel, por exemplo, pode ter mais dificuldade para higienizar corretamente os dentes e gengivas, já que a estrutura pode interferir no processo e, inclusive, facilitar o acúmulo de bactérias entre os braquetes e a gengiva. Assim, produtos complementares podem ser necessários.

Cuidado com o palito de dente

É importante fazer algumas considerações sobre o palito de dente, item comum e muito usado para remover resíduos alimentares dos dentes e dos locais próximos à gengiva.

Esse é um material bem comum, principalmente nos restaurantes, sendo usado para limpar espaços entre os dentes, retirando resíduos alimentares presos na arcada dentária. 

De fato, ele consegue, de certa forma, fazer uma limpeza, mas esse não é o objeto mais recomendado, pois ele é muito rígido e pode causar uma retração gengival, também ferindo a gengiva. 

Por esse motivo, como mencionado anteriormente, o recomendado é utilizar o fio dental para fazer essa higienização nos espaços entre os dentes e, principalmente, do tecido gengival. 

Alimentação

A saúde da gengiva, bem como dos dentes, se relaciona diretamente com a alimentação adotada pelos indivíduos. 

Por exemplo, quem se alimenta de muitos alimentos doces ou gordurosos pode contribuir para o desenvolvimento da placa bacteriana, o que favorece as inflamações no tecido gengival.

Isso porque as bactérias podem desencadear ações ao entrarem em contato com o açúcar, “irritando” e inflamando o tecido. Além disso, ele pode gerar impactos na saúde dental, devido às erosões facilitadas pela acidez das bactérias.

Assim, quando a placa bacteriana se forma e acumula, a tendência é que problemas bucais apareçam, como gengivite ou periodontite, podendo acarretar em problemas mais graves no organismo, como a perda dental ou a endocardite.

Inclusive, caso a inflamação gengival ocasione no comprometimento dental, parcial ou integral, o odontologista pode recomendar a reparação oral. Para isso, um implante dentário pode ser necessário, tanto para recuperar a mordida quanto para evitar que bactérias se acumulem no tecido que ficou exposto.

Além disso, é preciso fazer uma ressalva quanto aos alimentos com alto teor de pigmentação, pois, se eles forem consumidos com frequência, manchas ou escurecimento da arcada dentária podem acontecer.

Mais ainda, no caso de alimentos ácidos e pigmentados, também pode haver algum impacto na gengiva favorecendo sua retração e o surgimento de feridas, por exemplo, ou mesmo sua alteração – inclusive na coloração. 

Nesses casos, pode ser preciso realizar, mesmo que por estética, procedimentos como o clareamento dental ou mesmo tratamentos para a gengiva, para recuperá-la.

Portanto, deve-se evitar o consumo excessivo de produtos como:

  • Vinho;
  • Suco de uva;
  • Refrigerantes;
  • Café.

Idas frequentes ao dentista

Além disso, é preciso manter as visitas regulares ao dentista, sendo realizadas ao menos a cada seis meses para garantir uma gengiva saudável e mais qualidade à cavidade oral.

Nessas consultas, o dentista fará uma avaliação de como anda a saúde do paciente, bem como poderá realizar a limpeza do tártaro, o que também é muito importante para a gengiva e sua saúde.

Já em relação aos dentes, também é possível realizar a aplicação do flúor para mantê-los mais resistentes.
Do mesmo modo, caso haja necessidade de algum tratamento, como a utilização do aparelho invisivel, o dentista fará a devida avaliação do posicionamento dos dentes e recomendará os processos necessários a serem seguidos, bem como a necessidade de outros processos.

Caso a cavidade esteja em ordem e o paciente queira melhorar a funcionalidade e a estética do sorriso de forma conjunta, é possível recorrer a diversos procedimentos, tanto para a dentição quanto para a gengiva e os demais tecidos orais.

Para os dentes, por exemplo, um tratamento que vem ganhando espaço é a lente de contato dental, que preenche os espaços dos dentes, alinhando o sorriso, ao mesmo tempo que melhora a coloração da arcada dentária. 

Já para a gengiva, é possível aplicar desde procedimentos como a gengivoplastia, peeling gengival ou mesmo a aplicação toxina botulínica para modificar sua aparência, em tamanho ou cor. 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações, dicas e conteúdos ricos sobre os cuidados com a saúde física e mental.